terça-feira, 20 de setembro de 2022

Grupo de Pesquisa e Extensão Interconexões (UEPG), CASLA e CNPq desenvolvem Sistema Eletrônico de Certificação Agroecológica Participativa

O Sistema de Eletrônico de Certificação Agroecológica Participativa é resultado de o projeto "Núcleo de Estudos e Capacitação Sociotécnica em Agroecologia de Populações Tradicionais em Territórios Faxinalenses  (C403031/2017-6), financiado pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e executado pelo Grupo de Pesquisa e extensão Interconexões: Saberes, Práticas e Políticas de Natureza, sob a coordenação do Prof. Dr. Nicolas Floriani (UEPG).


O sistema eletrônico busca promover a democratização tecnológica para o processo de certificação participativa de garantia da qualidade de produtos e processos agroecológicos e orgânicaos  e, consequentemente, a autonomia socioambiental de grupos organizados de agricultores familiares e de comunidades tradicionais em fase de transição agroecológica. O projeto faz parte do Programa Unitinerante: Universidade Itinerante pelos Direitos Humanos, da Natureza, Pela Paz e Bem Viver, coordenado pela Casa Latino-americana.


Confira o vídeo de divulgação



terça-feira, 6 de setembro de 2022

Disciplina Interinstitucional é criada ligando cinco programas de pós-graduação em três regiões brasileiras


Título da Disciplina: 

Saberes, Práticas e Políticas de Natureza I 

Período: primeiro semestre de 2022

Carga horária 60h 



DOCENTES

*Programa de Pós-graduação em Geografia (PPGEO/UEPG)

Prof. Dr. Almir Nabozny Prof. Dr. Nicolas Floriani

*Programa de Pós-graduação em Sociologia (PGSOCIO/UFPR)

Prof. Dr. Dimas Floriani

*Programa de Pós-graduação em Meio Ambiente e Desenvolvimento PPGMADE (UFPR)

Prof. Dr. Dimas Floriani
*
Programa de Pós-graduação em Geografia PPGEO (UNIR)

Prof. Dr. Adnilson de Almeida Silva

*Programa de Pós-graduação em Geografia (PPGEO-UEMA)

Profa. Dra. Rosirene Lima Martins

*Programa de Pós-graduação em Geografia PPGEO (UFAC)

Prof. Dr. Alexsande Oliveira Franco

EMENTA

A interpretação das narrativas das ciências e dos saberes locais sobre os fenômenos espacial (o território dos coletivos humanos e não-humanos) e histórico (o tempo social e biológico) que configuram a sociobiodiversidade paisagístico-territorial. Para tanto, buscar-se-á apresentar, desde os diversos pontos de vista, (da epistemologia ambiental, das ciências humanas e da etnoecologia) contribuições reflexivas acerca da ecologia política de produção de naturezas.

JUSTIFICATIVA

A abordagem inter e transdisciplinar do conhecimento local da natureza emerge do contexto da crise paradigmática da ciência moderna e da necessidade de se abrir para dialogar com outros saberes. Incluído nesta categoria está o patrimônio tangível e imaterial das coletividades que, a partir de seus territórios, buscam resistir e reafirmar suas identidades diante da modernização e racionalização de seu modo de vida. Baseia-se, portanto, na necessidade de se abrir para dialogar com outros saberes. Neste contexto dialógico,

questiona-se "até que ponto é possível reconstruir cientificamente um sistema de pensamento ou classificação da natureza dos indivíduos pertencentes a diferentes sociedades culturais?" (VIERTLER, 2002: 21). Trata-se, talvez, de um método interpretativo de fala e práticas sociais, como o conhecimento científico e não científico (FLORIANI, 2010). Fala, então, da necessidade de um método de abordagem da ciência do "OUTRO", ou seja, de uma ciência que possua uma cultura específica, para melhor, de uma etnociência baseada em uma descrição densa da ciência do outro, construída a partir do referencial da academia (CAMPOS, 2002). Assim, a abordagem complexa da ecologia de práticas e saberes deve possibilitar a interpretação das narrativas científicas e do conhecimento local sobre os fenômenos espaciais (território dos coletivos humanos e quase humanos) e históricos (tempos sociais e biológicos) que moldam identidades socioterriais, que moldam a diversidade paisagística dos territórios tradicionais e alternativos. (ESCOBAR, 1999; VIVEIROS DE CASTRO, 2002; LATOUR, 2001; SOUSA SANTOS, 1996; BARRERA-BASSOL Y FLORIANI, 2016; FLORIANI Y FLORIANI, 2020).

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

• Apresentar e Discutir as bases conceituais e metodológicas de abordagem inter(trans)disciplinar acerca das narrativas das ciências e dos saberes locais sobre a diversidade socioterritorial: sistema de práticas, representações e imaginário de territorialidades-subjetividades bioculturais.

• Apresentação de estudos de caso no âmbito dos Grupos de Pesquisa.

METODOLOGIA

• Aulas expositivas, leitura de textos e apresentação de seminários.

CRONOGRAMA E CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

BIBLIOGRAFIA RECOMENDADA

Nicolas FLORIANI

page3image56165808

1. FLORIANI, N.; FLORIANI, D.; SILVA, A.A.; HALISKI, A.M. Territorializações agroecológicas: saberes, práticas e políticas de natureza em comunidades rurais tradicionais do Paraná. Estudos Sociedade e Agricultura, v. 30, p. e2230103, 2022. Territorializações agroecológicas: saberes, práticas e políticas de natureza em comunidades rurais tradicionais do Paraná | Estudos Sociedade e Agricultura (revistaesa.com)

page3image56172672 page3image56168512

2. FLORIANI, D.; FLORIANI, N. Ecología de las prácticas y de los saberes para el desarrollo local: territorios de autonomía socioambiental en algunas comunidades tradicionales del centro-sur del Estado de Paraná, Brasil. POLIS (SANTIAGO. EN LÍNEA), v. 56, p. 24-39, 2020. Ecologia das

page3image56179536

práticas e dos saberes para o desenvolvimento local: territórios de autonomia socioambiental em algumas comunidades tradicionais do centro-sul do Estado do Paraná, Brasil (openedition.org)

page3image56171840
page3image56176624

3. BARRERA-BASSOLS, N. (Org.); FLORIANI, N. (Org.). Saberes, Paisajes y Territorios Rurales de America Latina. 1. ed. Nariño: Editora de La Universidad del Cauca, 2018. v. 1. 314p. (16) (PDF) Apresentacao Livro Saberes, Paisagens e Territorios Rurais da America Latina (researchgate.net)

page3image56168928 page3image56180368

4. FLORIANI, Nicolas; SKEWES, J.C.; RIOS, F.T.; SILVA, A.A.; HALISKI, A.M.; SHIRAISHI NETO, J. Territorialidades da Convivencialidade e do Sentirpensar as Florestas Comunitárias Tradicionais da América Latina. Desenvolvimento e Meio Ambiente (UFPR), n. 50, 2019. 5. Territorialidades da convivencialidade e do sentirpensar com as florestas comunitárias tradicionais na América Latina | Floriani | Desenvolvimento e Meio Ambiente (ufpr.br)

page3image56257296 page3image56257712

5. FLORIANI, N.; CARVALHO, S.M. Sustentabilidade Latente e Resiliência Socioecológica da Floresta Faxinalense. In: CARVALHO, S.M.; FLORIANI, N. (Org.). Faxinal Taquari dos Ribeiros: diálogos interdisciplinares, sustentabilidade e etnoecologia. 1ed.Ponta Grossa: UEPG, 2017, v. 1, p. 11-24 (16) (PDF) APRESENTAÇÃO: Sustentabilidade Latente e Resiliência Socioecológica da Floresta Faxinalense (researchgate.net)

page3image56260208

6. FLORIANI, N.; RIOS, F.T.; FLORIANI, D. Territorialidades alternativas e hibridismos no mundo rural: resiliência e reproduçao da sociobiodiversidade em comunidades tradicionais do Brasil e Chile meridionais. Polis (Santiago. en Línea), v. 12, p. 73-94, 2013. polis34_16.p65 (conicyt.cl)

Almir Nabozny

1. ALISTE, E; NÚÑEZ, A. Las fronteras del discurso geográfico: El tiempo y el espacio en la investigación social. Chungara Revista de Antropología Chilena. v. 47, n.02, p.287-301. 2015.

2. BERDOULAY, V. El Sujeto, El lugar y La Mediación del Imaginario. In: LINDÓN, A; HIERNAUX, D (orgs.). GEOGRAFÍAS de lo imaginario. Barcelona: Anthropos Editorial;México: Universidad Autónoma Metropolitana. Iztapalapa, 2012. p.49-65.

3. CLAVAL, P. Epistemologia da Geografia. Florianópolis: UFSC, 2011.

4. DARDEL, E. O Homem e a terra: natureza da realidade geográfica. São Paulo Perspectiva,2011.

5. DIAS, L. C.; FERRARI, M. (orgs). Territorialidades humanas e Redes Sociais. Florianópolis:Insular, 2011.

6. ESCOLAR, M. Crítica do discurso geográfico. São Paulo: HUCITEC, 1996.
7. NOGUÉ, J; ROMERO, J. (orgs.). Las otras Geografías. Valencia: Ed. Tirant La Blanch, 2006.

page3image56260416

8. PEREIRA, H. G. Sobre a conceptualização contemporânea do “espaço” na cultura ocidental. Finisterra, L, 100, p.67-80. 2015. doi: 10.18055/Finis7864

9. SANTOS, M; SOUZA, M. A. A de (orgs.). O Espaço Interdisciplinar. São Paulo: Nobel, 1986.

10. SOUZA, M. L de. Os conceitos fundamentais da pesquisa sócio-espacial. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2013.6.

Dimas Floriani (DF)

1- Origem e racionalidade das ciências disciplinares da natureza e da sociedade – DF 2- Nuevos sentidos para una ciencia socioambiental – DF

3- Interdisciplinaridade em Ciência, Tecnologia & Inovação – (capítulos do livro organizado por Arlindo Philippi Jr et alii)

4- Interdisciplinariedad y sistemas complejos – Rolando García 5- Os usos sociais da ciência – Pierre Bourdieu

6- Compreender o funcionamento dos sistemas: do equilíbrio mecânico à complexidade dinâmica – (cap. 4) do livro de Kate Raworth (A Economia Donut)

7- Por uma epistemologia da diversidade (cap. 1 do Livro Crítica da Razão Ambiental) – DF 8- La metáfora del holograma social – Pablo Navarro

9- Teorias socioecológicas e abordagens de problemas socioambientais: epistemes e racionalidades plurais – DF (já publicado em Livro. Desconsiderar o lembrete para não citar)

10- Ciência, etnociências e saberes locais – DF – já publicado em livro. Desconsiderar o lembrete para não citar.

11- A ciência em uma sociedade livre – Paul Feyerabend
12- Um discurso sobre as ciências 
– Boaventura de Sousa Santos

13- Tópicos e referência a textos – autores, para a aula de Filosofia da ciência – Arturo Argueta e Maya Lorena Pérez Ruiz

14- Ruído e Determinismo – diálogos espinosistas entre antropologia e biologia – Henri Atlan 15- A política errou ao ignorar a ciência – entrevista com Carlo Rovelli
16- A questão ambiental na contemporaneidade 
– DF
17- O Meio ambiente: signo negativo da modernidade ou alegoria de ultraje à natureza? 
– DF 18- As retóricas da sustentabilidade - DF

Adnilson Almeida Silva

1. ALMEIDA SILVA, Adnilson de. Expressões, Vivências e Representações Indígenas da e na Amazônia. 1. ed. Porto Velho: Temática Editora, 2021. v. 1. 424p . Disponível em: https://bit.ly/expressoes-indigenas-Adnilson

2. ALMEIDA SILVA, Adnilson de. A territorialidade Kawahib e algumas representações do pós- contato. La territorialidad Kawahib y algunas representaciones de post-contacto. In: Narciso

page4image56165184 page4image56167888 page4image56180160

Barrera-Bassols; Nicolas Floriani. (Org.). Saberes locales, paisajes y territorios rurales en América Latina. 1.ed.Popoyán: Universidad del Cauca, 2018, v. 1, p. 103-130. Disponível em:https://patrimoniobiocultural.com/archivos/publicaciones/libros/Sabereslocalespaisajesyterritorios. pdf

3. MEDEIROS, Tássia Karina Alexandre de; ALMEIDA SILVA, Adnilson; SURUÍ, Gasodá Wawaeitxapôh; ARAÚJO FILHO, Isaac Costa; FLORIANI, Nicolas. Os etnoconhecimentos botânicos dos Paiterey e as repercussões no território: uma prévia análise na Aldeia Paiter da Linha 09 - Terra Indígena Sete de Setembro. Confins (Paris), v. 3, p. 1-36, 2018. Disponível em: https://journals.openedition.org/confins/13516

4. SANTANA, Francisco Marquelino; SILVA, Josué da Costa; ALMEIDA SILVA, Adnilson de. Wari’:conversão, identidade cultural e marcadores territoriais na Terra Indígena Igarapé Laje em Rondônia. Ateliê geográfico (UFG), v. 14, p. 112-141, 2020. https://revistas.ufg.br/atelie/article/view/58456/35261

5. PACHECO, Lino Meneses; GORDONESY, Gladys; BRICEÑO; Jacqueline Clarac de. Lecturas Antropológicas de Venezuela. 1.ed. Mérida: Editorial Venezolana, 2007. Disponível em:https://pt.scribd.com/doc/272386140/LECTURAS-ANTROPOLOGICAS-DE-VENEZUELA-blog-pdf

6. CASTRO, Álvaro A. García; HEINEN, H. Dieter. Planificando el desastre ecológico: Impacto del cierre del caño Manamo para las comunidades indígenas y criollas del Delta Occidental (Delta del Orinoco, Venezuela). Antropologica, n.91, 1999: 31-56. http://www.fundacionlasalle.org.ve/userfiles/ant_No_91_31-56.pdf.

As aulas do professor Adnilson de Almeida Silva serão remotas e o link será enviado após matrículas na disciplina.

Rosirene Lima Martins

  1. BOFF,L.

  2. DARDOT, P. & LAVAL C. Comum: ensaio sobre a revolução no século XXI. São Paulo: Boitempo, 2017. III – Proposições Politicas 1,2,3,4,5,6.

  3. HARAWAY,D.

  4. MASSEY, D. Pelo Espaço: uma nova política da espacialidade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2008. Parte Cinco: Uma política relacional do espacial. Capítulos 14, 14 e 15.

  5. NETO, J. S.; LIMA, R. M.; ALCOBAÇA L. E. de. Saberes e práticas tradicionais em movimento: a comunidade do Maracanã na rota de um projeto global. Novos Cadernos NAEA v. 21, n. 1, p. 99-115, jan-abr 2018, ISSN 1516-6481 / 2179-7536

  6. SHIVA, V. La mirada del ecofeminismo (tres textos). Polis [En línea], 9 | 2004, Publicado el 22 octubre 2012, consultado el 19 abril 2019. URL : http://journals.openedition.org/polis/7270

Alexsande Oliveira Franco

1. 1. Áreas Naturais Protegidas Brasileiras: gestão, desafios, conceitos e reflexões. Campo Grande: Editora Inovar, 2021. 186p. Organizadores: FRANCO, Alexsande de Oliveira; BENTO, Victor Régio da Silva.

2. FRANCO, Alexsande de Oliveira. (Des) funcionalidades em modelos de gestão territorial e seus reflexos em comunidades tradicionais e rurais da Amazônia Sul Ocidental / Alexsande de Oliveira Franco. Ponta Grossa, 2019. 331 f.

page5image56293392 page5image56293600page5image56284240page5image56286528page5image56289856 page5image56241536 page5image56239872

O cuidado essencial: princípio de um novo ethos.

page5image56242992

https://revista.ibict.br/inclusao/article/view/1503/1689 .

page5image56237792 page5image56243408

Situated Knowledges: The Science Question in Feminism and the Privilege of Partial

page5image56256464

Perspectives", Feminist Studies14 (1988) 575599.

page5image56254384 page5image56261872 page5image56260624
  1. Governança ambiental no Brasil: instituições, atores e políticas públicas / organizadora: MOURA, Adriana Maria Magalhães. Brasília: Ipea, 2016. 352 p.

  2. PELLIZZARO, Patrícia Costa; HARDT, Letícia Peret Antunes; HARDT, Carlos; HARD, Marlos HARDT; SEHLI, Dyala Assef. Gestão e manejo de áreas naturais protegidas: contexto internacional. Ambiente & Sociedade n São Paulo v. XVIII, n. 1 n p. 21-40, jan.-mar. 2015.

  3. SILVA, Ana Tereza Reis. Áreas protegidas, populações tradicionais da Amazônia e novos arranjos conservacionistas. Revista Brasileira de Ciências Sociais - vol. 34, n° 99, 2019.

6. TOURNEAU, François-Michel Le; BURSZTYN, Marcel. Assentamentos rurais na Amazônia: contradições entre a política agrária e a política ambiental. Ambiente & Sociedade, Campinas v. XIII, n. 1, p. 111-130, jan.-jun. 2010.

page6image56296464 


FORMULÁRIOS DE INSCRIÇÃO 

1) ALUNOS DO PPGEO-UEPG

2) ALUNOS ESPECIAIS



terça-feira, 16 de fevereiro de 2021

OFICINA DE FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃO EM AGROECOLOGIA

 No dia 07 de Fevereiro de 2021, o grupo do projeto NEA Territórios Faxinalenses (Núcleo de Estudos e Capacitação Sociotécnica em Agroecologia) se reuniu nas localidades de Imbituva-PR, em uma das filiais da COODESAFI (Cooperativa de Desenvolvimento Sustentável da Agricultura Familiar de Ivaí) para a 1ª Oficina de Formação e Capacitação em Agroecologia. 


Filial da COODESAFI em Imbituva-PR 



Grupo do Projeto NEA 




Contamos também com a presença da Secretária de Agricultura do Município do Guamiranga: Cristiane Tabarro Borgo. 





A oficina foi iniciada com uma conversa para esclarecer os seus objetivos, também para fazer algumas apresentações que se faziam necessárias.


Em seguida a Professora Telma Regina Stroparo, membro do grupo NEA e doutoranda do Programa de Pós-graduação em Geografia da UEPG, nos falou sobre a OCS (Organização de Controle Social). A professora/doutoranda nos explicou o que é uma OCS e também para que esta serve, além dos passos de como fazê-la. 





Posteriormente, a Professora Cleusi T. Bobato Stadler, também membro do grupo NEA e doutoranda do Programa de Pós-graduação em Geografia da UEPG, deteve a palavra para expor sobre a caderneta de campo da família agricultora e também sobre um calendário de visitas. A professora/doutoranda falou também sobre algumas práticas tradicionais e sobre a troca e reprodução das sementes crioulas. 


Caderno de anotações de Janete Leite - UR Faxinal dos Galvão



Posteriormente, o Professor Gustavo Bahr, também membro do grupo NEA e doutorando do Programa de Pós-graduação em Geografia da UEPG, nos trouxe 8 dicas rápidas sobre o Caderno de Plano de Manejo Orgânico de cada propriedade.


O professor Dr. Nicolas Floriani, coordenador do projeto NEA, aproveitou o momento para comentar mais sobre os critérios agroecológicos de produção. 



Por fim, esperamos a chegada de Diogo Eler Gasparelo, um menino de 13 anos que participou do Projeto Sementes Crioulas da Escola Municipal do Fax. Dos Galvão,  promovido pela Prof. Maria Janete Leite e Doutoranda Cleusi Bobato Stadler. Pelo seu interesse no resgate e plantio de sementes, que realizou em sua casa, reproduzindo tais Sementes, foi nomeado Guardião Mirim das Sementes Crioulas em Imbituva.




Ficha de acompanhamento do Projeto Sementes Crioulas da Escola Municipal do Fax. Dos Galvão


Diogo Eler Gasparelo - Guardião Mirim das Sementes Crioulas em Imbituva.


segunda-feira, 18 de janeiro de 2021

Confira algumas ações e resultados do projeto "Das Territorialidades Tradicionais às Territorializações da Agroecologia...."

O projeto "Das territorialidades tradicionais às territorializações da Agroecologia: saberes, políticas de natureza em comunidades rurais tradicionais do Paraná", coordenado pelo Prof. Dr. Nicolas Floriani (UEPG/CASLA) e financiando pelo CNPq,  encerrou suas atividades oficialmente em dezembro de 2020. 

Convidamos você, nesse sentido, para que conheça os objetivos e alguns resultados positivos do projeto, também relatados em vídeo pelo Coordenador do Projeto.



OBJETIVO

Este projeto buscou compreender em que medida a Agroecologia pode servir de dispositivo promotor de autonomias socioambientais em comunidades rurais tradicionais, isto é, que dimensões (tecnológicas, organizacionais e simbólicas) desse modelo produtivo alternativo poderiam mobilizar capacidades socioecológicas (patrimônio biocultural) de territórios/estabelecimentos familiares para produzir alternativas locais de/ao desenvolvimento rural. A ideia foi elaborar indicadores de potencialidades organizativas/produtivas condizentes com as realidades locais que pudessem apontar para a importância das dimensões social, econômica e cultural na adoção de novas tecnologias e como elas podem ou não induzir os sistemas socioterritoriais a novos arranjos locais e regionais entre os atores (academia, poder público municipal, organizações sociais), ressignificando as estratégias por construção de autonomias. 


ENGAJAMENTO COMUNITÁRIO E A FORMAÇÃO DE REDES ASSOCIATIVAS LOCAIS 

Em termos de formação de redes acadêmicas e de atores sociais regionais, o projeto possibilitou o desenvolvimento de novos arranjos institucionais regionais entre atores públicos (prefeituras), universidades, comunidades , ONGs e agentes públicos de extensão rural e ambiental. 

Para tanto, a rede de atores locias e regionais (Academia, agentes públicos municipais, ONGs e comunidades) buscou trabalhar juntamente com agricultores e agricultoras faxinalenses, quilombolas, caiçaras e e famílias de agricultores tradicionais dos Municípios de Imbituva, Ponta Grossa, Imabú, Pontal dedo Paraná e Rebouças. 

O grupo de pesquisa Interconexões e seus parceiros institucionais (CASLA, IEEP, COODESAFI, ASAECO, UEPG, IFPR-Paranaguá, IFPR-Irati, UNICENTRO-Irati, AS-PTA, Prefeituras Municipais de Imbaú, Rebouças,  Imbituva, técnicos da EMATER  de cada município, o então Instituto Ambiental do Paraná)  procuraram compreender os aspectos da vida cotidiana dos estabelecimentos familiares. 

Os diagnósticos buscaram evidenciar  a capacidade de organização da comunidade, a existência de lideranças que trabalhavam anteriormente com agroecologia, o empreendedorismo de mulheres e jovens agricultores, a intenção positiva com as agências públicas municipais - principalmente no tocante ao auxílio ao acesso a circuitos alternativos de comercialização (ex. feiras regionais), e acesso à transporte para o escoamento de produtos. Isto é, que fatores seriam determinantes para o sucesso da adoção desse modelo produtivo de base ecológica. 


OUTROS RESULTADOS IMPORTANTES

O projeto coordenado pelo Prof. Dr. Nicolas Floriani (UEPG) que constitui também o Programa de pesquisa e extensão UNITINERANTE (Universidade Itinerante dos Direitos Humanos, da Natureza, pela Paz e o Bem Viver, coordenado pela Casa Latinoamericana (CASLA) - produziu resultados importantes do ponto de vista científico como sociais.

Em termos científicos, a pesquisa permitiu a elaboração de indicadores e parâmetros inovadores para a região do centro-sul paranaense no que tange ao processo de territorialização de projetos alternativos, condizentes com a sociobiodiversidade regional. Tais resultados foram publicados da na revista internacional POLIS, sob o título "Ecologia das práticas e dos saberes para o desenvolvimento local: territórios de autonomia socioambiental em algumas comunidades tradicionais do centro-sul do Estado do Paraná, Brasil".

Ademais da formação de uma rede de atores locais na Região dos Campos Gerais e Centro-Sul do Paraná, a valorização de práticas produtivas tradicionais (agrobiodiversidade local) e de novas práticas produtivas agroecológicas (agrofloresta, agricultura orgânica e meliponicultura convergiram em esforços para a criação de uma Marca (selo) de produtos de origem geográfica e de circuitos alternativos de comercialização. 

O projeto encerra-se apenas formalmente, mas os resultados e os esforços de constituição de uma rede regional de famílias agroecológicas tradicionais continuam no projeto "Núcleo de Estudos e Capacitação Socotécnica em Agroecologia de comunidades rurais tradicionais em Territórios Faxinalenses do Paraná".


domingo, 20 de dezembro de 2020

TERCEIRO DIA DE CAMPO DO NEA – TERRITÓRIOS FAXINALENSES: TROCA DE SABERES NA U.R. FAXINAL CHARQUEADA DOS BETIM, IMBAÚ – PR

No último domingo, 29 de Novembro de 2020, foi realizado o Terceiro Dia de Campo do Núcleo de Estudos e Capacitação Sociotécnica em Agroecologia de Populações Tradicionais em Territórios Faxinalenses (NEA - Territórios Faxinalenses). O encontro ocorreu na Unidade de Referência Agroecológica Faxinal Charqueada dos Betim, sob responsabilidade de Diego Betim e sua esposa Jocimara Betim, localizada no município de Imbaú.

Estiveram presentes na reunião os integrantes do Grupo de Pesquisa e Extensão Interconexões - Nicolas Floriani (UEPG), Gustavo Bahr (PPGG-UEPG), Cleusi Bobato Stadler (PPGG-UEPG),  Bruna Santos (PPGG-UEPG) e João Nilton Andrade (UEPG), além dos agricultores agroecológicos da Cooperativa de Desenvolvimento Sustentável da Agricultura Familiar de Ivaí (COODESAFI) - Lucas Bilek, Genésio Maiczuk, Natan Emiliano Maiczuk, Antônio Silvestre Leite, Paulo Ricardo Leite, Denisvan Alves, Evanilda Ienke Rogetski, Sheila de Quadros Gonçalves, Sindy Lorrana Ribeiro e sua Presidente Claudia Regina dos Santos.

O Dia de Campo teve início com a apresentação das pessoas presentes. Na sequência, Diego relatou o histórico da propriedade e sua trajetória dentro da meliponicultura (criação racional das abelhas sem ferrão – ASF). Posteriormente, foi desenvolvida uma oficina de elaboração de ninho - isca para captura das ASF. Na oportunidade, Diego pode demonstrar como faz o atrativo e todo processo, que utiliza materiais recicláveis e tem tido bons resultados, sobretudo relacionado à espécie jataí.



                                      Foto 1 – Elaboração de ninho – isca


                                        Foto 2 – Elaboração de ninho – isca


                                      Foto 3 – Ninho – isca sendo instalado


A atividade seguinte foi uma caminhada guiada pela área de faxinal, onde os “visitantes – parceiros” do projeto puderam conhecer um pouco mais sobre a vivência da comunidade. Nessa atividade foram abordadas questões políticas e culturais, observou-se aspectos da flora e fauna local, além de como é instalada e coletada as iscas com os novos enxames. Ainda, foram plantadas diversas mudas de erva mate entre o faxinal, atividade econômica relevante que caracteriza essa importante comunidade tradicional do estado do Paraná.


                                        Foto 4 – Caminhada pelo Faxinal


                                        Foto 5 – Caminhada pelo Faxinal



     
  Vídeo 1 – Técnicas de meliponicultura



                                               Foto 6 – Troca de saberes

   


                                               Foto 6 – Troca de saberes



                                             Foto 8 – Plantio de erva mate



                                             Foto 9 – Plantio de erva mate



                                           Foto 10 – Plantio de erva mate



                                          Foto 11 – Plantio de erva mate


Após o almoço ocorreu o momento cultural, com a dupla Diego e Marcelo Betim, animando os presentes com diversas canções com violão e gaita. Posteriormente, a doutoranda Cleusi Bobato apresentou aos agricultores uma proposta de agenda de campo, importante documento para os trabalhos relacionados a agroecologia, e também falou sobre as sementes crioulas, que também estão sendo inseridas no Faxinal Charqueada dos Betim.


                                         Foto 12 – Diego e Marcelo Betim



                                            Vídeo 2 – Diego e Marcelo Betim



                                             Foto 13 – Sementes crioulas


Ainda durante a tarde, foi apresentado o projeto para o poder público do Município de Imbaú. Nessa oportunidade o prof. Nicolas explanou sobre as principais características do Projeto NEA para o vereador Davi (e recém eleito vice prefeito) e a profa. Rena (recém eleita vereadora), os quais simpatizaram com a questão, sendo um importante passo nessa parceria.

Outro momento de extrema relevância no dia foi a aula dada por Dona Nica a respeito das plantas com finalidade medicinal. Dona Nica, além de seu amplo conhecimento com as plantas medicinais, também é benzedeira na comunidade.



 Foto 14 – Dona Nica relatando sobre o uso das plantas medicinais

O encerramento ficou por conta da atividade conduzida por Diego, onde esse demonstrou uma transferência de enxame de jataí de um ninho – isca para uma caixa modelo INPA. Nesse momento os presentes puderam observar toda estrutura que compõe o enxame, com os potes de mel, anéis de cria e ainda a identificação da rainha.


          Foto 15 – Transferência de enxame de jataí da isca ninho para caixa



           Foto 16 – Transferência de enxame de jataí da isca ninho para caixa



         Foto 17 – Transferência de enxame de jataí da isca ninho para caixa


Nosso agradecimento à todos os agricultores que se deslocaram de Imbituva. E um agradecimento especial aos anfitriões da família Betim, Diego, sua esposa Jocimara e a pequena Lívia, Dona Nica, Seu Pedro e o gaiteiro Marcelo. O nosso muito Obrigado!



Vídeo 3 – Todos pela agroecologia!


Por Gustavo Bahr




Grupo de Pesquisa e Extensão Interconexões (UEPG), CASLA e CNPq desenvolvem Sistema Eletrônico de Certificação Agroecológica Participativa

O Sistema de Eletrônico de Certificação Agroecológica Participativa é resultado de o projeto " Núcleo de Estudos e Capacitação Sociotéc...